Nossa iniciativa

Dar as mãos pelo casamento e pela família na Europa!

Quando um homem e uma mulher se casam é porque estão dispostos a construir um dos mais desafiantes projetos que existem – começar uma família, juntos.

O estado reconhece o casamento não porque se preocupe com os sentimentos, mas devido à renovação de gerações e à educação das crianças que são a garantia do futuro da nação. Isto explica a importância do casamento que, vale a pena recordar, não é um mero contrato mas uma instituição.

O casamento protege a família porque é baseado num compromisso de vida conjunta num espírito de respeito mútuo e de responsabilidade pelas crianças que são fruto da união.

Naturalmente, a família é essencial para qualquer indivíduo assim como para a sociedade. É o lugar onde as crianças são acolhidas e educadas; onde cada um de nós tem o seu lugar, na linha geracional. A família liga-nos uns aos outros e é o lugar onde a solidariedade e a partilha começam, a melhor rede de segurança e a proteção mais eficiente contra a solidão. A família também é motror da economia, para o presente e para o futuro.

Resumindo, a familia é a unidade base da sociedade.

É por esta razão que os fundadores da União Europeia garantiram que o princípio da subsidiariedade se aplicasse a tudo o que respeita à família, que é da responsabilidade exclusiva dos estados-membros. Por outras palavras, as decisões políticas relacionados com a família devem ser tomadas a nível nacional, próximas das famílias.

Apesar disso, há já algum tempo, os textos da EU mencionam cada vez mais a Família. Em alguns casos, estes textos definem mesmo família – mesmo que estas definições difiram entre si. Acresce que muitos relatórios foram ultimamente adotados pelo Parlamento Europeu relativamente ao assunto da filiação, ou por outras palavras: da família.

Isto cria problemas, sobretudo porque o conceito de casamento e família são objeto de pontos de vista muito diferentes de país para país.

No fim, como não existe esta clareza de conceitos, os textos europeus estão a tornar-se cada vez mais difíceis de interpretar e aplicar.

A UE tem uma necessidade urgente de clarificar e precisar as definições de casamento e família. Estas definições devem contribuir para a união da Europa, sendo baseadas no denominador comum a todos os estados membros, que reflete a realidade universal da Humanidade – o casamento entre um homem e uma mulher, e os laços entre pai, mãe e filho(s).

PAI, MÃE E FILHOS pede para que se junte a esta ‘Iniciativa de Cidadania Europeia’ (ICE), um mecanismo criado para ter em conta a vontade dos cidadãos dos 28 países membros.

Para muitas pessoas privar propositadamente a criança de um pai ou de uma mãe, ou semelhante filiação, é injusto e artificial. É essencial respeitar o casamento entre um homem e uma mulher e os laços que unem pai, mãe e filho(s).

Ajude-nos a conseguir o número necessário de assinaturas para que o nosso apelo seja um sinal expressivo para os decisores políticos europeus.

A SUA ASSINATURA FAZ A DIFERENÇA! GERAÇÕES FUTURAS DE CRIANÇAS CONTAM COM O SEU APOIO.

EM NOME DELES, OBRIGADO!

Fazer um donativo
Contribuir com os nossos esforços para apoiar o casamento e a família na Europa!